Operadoras de telefonia: O que considerar na hora da negociação

operadoras de telefonia

Neste artigo analisaremos os aspectos importantes a serem levados em conta, para uma excelente negociação com operadoras de telefonia.

É sabido que uma empresa deve ficar atenta a todos os aspectos relacionados aos seus processos e ferramentas de telecom, levando em conta desde a otimização da infraestrutura até o controle e gestão de contratos e recursos. Porém, com o dinamismo atual do mercado e das novas tecnologias, tudo muda rapidamente: dos serviços, equipamentos e tecnologias utilizados aos preços praticados.

Nesse contexto, um item que requer muita atenção do gestor de telecom é a renegociação dos contratos firmados com as operadoras de telefonia e o respectivo acompanhamento referente ao cumprimento das entregas e serviços. Através de uma análise detalhada dos contratos existentes, é possível identificar quais podem ser renegociados e possuem oportunidades de otimização e redução de tarifas.

Contudo, a identificação detalhada das necessidades da empresa e a respectiva construção do correto escopo de contratação, são os primeiros passos no sentido de garantir a economia e o uso dos melhores serviços e tecnologias disponíveis. Além disso, ter conhecimento sobre as operadoras, os serviços ofertados e as tarifas cobradas faz a diferença em uma renegociação. 

Veja os principais pontos que devem ser levados em conta quando for renegociar contratos de telefonia fixa, móvel e dados.

Financeiro: A economia começa aqui 

Quando falamos sobre o aspecto financeiro da negociação de contratos, o objetivo é bastante claro: redução dos custos de telecom. Seguramente, dentro das ações de gestão e redução existentes em um ciclo de TEM (Telecom Expenses Management),  a negociação dos contratos com as operadoras de telefonia é a que, normalmente, gera resultados de redução mais rápidos e expressivos. Em média a redução ficará entre 5% e 20%, mas existem casos da ordem de até 40% ou 50% a menos que o valor inicial. 

O primeiro ponto a ser considerado é a realização de um edital (ou RFP), na qual todas as operadoras devem ser chamadas. Isto é muito importante, pois somente uma negociação aberta e transparente com todos os competidores gerará condições de obtenção das melhores tarifas. Uma negociação direta com o fornecedor atual poderá lhe trazer ganhos e será mais rápida e simples, mas provavelmente não o levará às melhores tarifas da sua faixa de gastos.

Benchmark: Saiba até onde a redução pode chegar com as operadoras de telefonia

E este é o segundo ponto a ser destacado. A segmentação da operadora é baseada na faixa de gastos dos clientes. Desta forma, você deve saber em qual patamar sua empresa está e, o principal, qual é o benchmark de tarifas para este patamar. Sem saber até onde a operadora “pode chegar”, você corre o risco de se satisfazer com um desconto menor do que o que poderia obter.

Por fim, um excelente resultado financeiro na negociação com operadoras de telefonia também exige precisão na definição do escopo a ser contratado. Quanto mais preciso você for na definição deste escopo, mais condições você dará à operadora de fornecer as melhores tarifas. Um “escopo aproximado” levará à um “preço aproximado”. Desta forma, tenha muita atenção com a identificação e elaboração do escopo. Conheça em detalhes as necessidades da empresa, de cada área, os problemas existentes, as tecnologias disponíveis e o que de fato é utilizado e necessário. Um escopo bem feito é uma das chaves de uma boa negociação. 

E atenção, negocie todas as tarifas e serviços de telefonia. Um erro comum é focar apenas nas principais e deixar itens importantes de lado. E não esqueça das condições comerciais, prazos de vencimento e clausulas de cancelamento. Todos estes itens fazem muita diferença no resultado final.

Técnologico: O caminho para a produtividade

A negociação de contratos de telecom não se resumem à redução de tarifas. Aliás, este é um erro bastante comum. As empresas focam muito nos aspectos financeiros e acabam perdendo a preciosa oportunidade de obter expressivas melhorias tecnológicas e operacionais, nos novos contratos.

Em termos de análise técnica de uma renegociação, o responsável deve ter clareza a respeito das tecnologias disponíveis e como elas serão utilizadas dentro da empresa. Não basta saber o que é melhor, mas também e principalmente, qual o benefício que esta tecnologia lhe trará. E neste ponto, voltamos à questão do escopo e entendimento preciso das necessidades de cada área da empresa. Sem entender o problema fica mais difícil de encontrar a solução. 

É muito importante que as áreas e gestores sejam ouvidos, que expliquem quais são suas necessidades e dificuldades, o que funciona bem e mal com as operadoras de telefonia, quais são os projetos futuros e oportunidades de automatização e aumento de produtividade. Após isso, o responsável pela negociação deve elaborar um ranqueamento técnico de cada fornecedor, levando em conta o atendimento dos requisitos solicitados. É neste momento que questões relacionadas à cobertura, sistema operacional, prazos de entrega e outros, serão analisados. Esta pontuação deve ser mesclada com a pontuação financeira, gerando uma pontuação final. 

A análise da pontuação técnica e financeira são fundamentais e devem ter um equilíbrio, mesmo podendo ter pesos diferentes. De nada vai adiantar a contratação de um fornecedor com tarifas excelentes que não atende tecnicamente ou um fornecedor com serviços impecáveis e preços acima do mercado. O equilíbrio e a busca do melhor custo-benefício são o caminho.

Operação: O dia a dia faz diferença

Uma vez analisados preços e tecnologia, devemos também levar em consideração o atendimento e fluxo operacional da operadora. Qual é o índice de reclamações, de cumprimento de prazos, de atendimento e de SLAs utilizados? A consulta a clientes do mesmo porte é uma boa prática a ser adotada.

Um contrato com uma operadora é uma relação recorrente e que exigirá relacionamento constante. Leve isso em conta e procure corrigir problemas existentes, relacionados aos itens citados acima e também a faturamento e cobrança. Muitas vezes não encontramos nas operadoras a qualidade que gostaríamos, mas isso não nos impede de definir um SLA que nos defenda em situações adversas. 

Em resumo é isso. As negociações de contratos com operadoras de telefonia são uma grande oportunidade de melhoria e economia, mas devem ser feitas de forma criteriosa e completa para que estes resultados sejam obtidos. 

Consultoria em telecomunicações: Como ela pode ajudar na negociação com operadoras de telefonia

Como pode perceber, existem vários pontos envolvidos durante um processo de renegociação de contrato junto às operadoras de telefonia.

Nesse sentido, poder contar com um suporte profissionais capaz de orientar sua empresa a obter o melhor aproveitamento possível na projeção dos contratos é fundamental. Afinal, o objetivo de uma consultoria em telecomunicação vai muito além de otimizar os custos com telecom.

Por intermédio dessa consultoria, é possível contratar planos de telefonia e internet com operadoras de telefonia que conseguem atender com perfeição as necessidades da empresa, procurando extrair o melhor custo-benefício dessa relação para o seu negócio,

Por falta de conhecimento sobre o assunto, muitas empresas negociando planos cujas características não são compatíveis com suas necessidades no dia a dia. Além disso, ainda existem aquelas empresas que contratam planos de telefonia mais robustos e com muitas funcionalidades que não agregam em nada no crescimento dos seus negócios.

A consultoria de telecom é um serviço que vai justamente dar o direcionamento adequado para tomadas de decisões mais assertivas durante as negociações. Ou seja, essa consultoria servirá para facilitar as negociações com as operadoras de telefonia ao mesmo tempo em que ajudará você enquanto gestor a fazer escolhas conscientes, que agregam valor ao seu negócio e eleva a produtividade e qualidade dos seus serviços. Tudo isso, sem causar impactos grandiosos no orçamento do setor.

Para quem é indicado uma consultoria de telecom?

Muitas pessoas acreditam que contratar uma consultoria de telecomunicação para operar nos processos de negociação, assim como em outros aspectos da gestão de telefonia é uma tarefa apenas para os grandes players do mercado. Contudo, pensar dessa forma é um erro.

Hoje em dia, pequenas, bem como médias empresas, independentemente do segmento ou tempo de mercado, podem se beneficiar com este serviço. Seja através de uma economia substancial no setor, ou mesmo com a otimização dos serviços de telecomunicação, no refinamento dos contratos com as operadoras de telefonia entre outras vantagens.

Vale ressaltar que os custos de uma consultoria em telecom variam conforme as necessidades de cada empresa. Mas, no geral, a economia que o seu negócio pode ter a médio e longo prazo através desse suporte especializado sem dúvida é algo que compensa o investimento.

Portanto, agora que já sabe o que considerar ao negociar com operadoras de telefonia e a importância que uma consultoria pode ter nesse processo, não perca a chance de ter ao seu lado o suporte de uma equipe experiente e capaz de orienta-lo sobre as melhores práticas para melhorar o setor de telecom e, consequentemente, auxiliar no desenvolvimento do seu negócio!

Entre em contato conosco e saiba como a Mobilit pode lhe ajudar na gestão de telecom da sua empresa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *