Bloqueio de Aplicativos e Smartphones: Dispositivos Corporativos, BYOD e além

Bloqueio de aplicativos

Segurança da informação é uma das maiores preocupações de gestores de telecom com smartphones e outros dispositivos móveis em sua organização. Primeiramente, colaboradores que utilizam smartphones e tablets fora do espaço da empresa podem ser a porta de entrada para ataques e invasões. Sendo assim, de todas as soluções possíveis para proteger dados corporativos, o bloqueio de aplicativos e dispositivos é uma das mais efetivas.

Considerando a penetração cada vez maior de BYOD nas empresas, o bloqueio de apps e aparelhos tem a camada pessoal além da profissional. Por mais que gestores façam o deployment de soluções pensadas para dados e apps corporativos, o usuário tem responsabilidade pela segurança do dispositivos, se ele é utilizado para o trabalho.

Neste artigo vamos fazer esta diferença entre pessoal e profissional, mas não vamos ficar só nisso. Confira:

Relembrando conceitos: BYOD, MDM, EMM

Vale lembrar que o bloqueio de aplicativos e dispositivos não existe em um vácuo, e além disso não é uma ação isolada, por mais efetiva que seja na segurança da informação.

Sendo assim, quais são os dois termos igualmente importantes na gestão de dispositivos móveis que trabalham diretamente com o bloqueio de apps?

Enterprise Mobility Management (EMM) é o conjunto de atividades dedicadas a gerenciar a mobilidade da empresa, incluindo mas não somente o dispositivo. EMM engloba dispositivos (MDM – Mobile Device Management), pessoas/identidades (MIM – Mobile Identity Management) e aplicativos/dados (MCM – Mobile Content Management e MAM – Mobile Application Management).

Como já dissemos anteriormente, o MDM está dentro do EMM. De acordo com a definição:

O Mobile Device Management (MDM) envolve um serviço centralizado e integrado de gerenciamento de dispositivos móveis, fornecendo controles de segurança e informações, provisionamento remoto, bloqueio e gestão de aplicativos, inventário, política de uso e geolocalização.

Igualmente, precisamos relembrar também como se define BYOD, pela importância e desafios causados pela presença de smartphones e tablets pessoais no local de trabalho.

Bring Your Own Device (BYOD) é o conjunto de procedimentos, rotinas e políticas corporativas que visam facilitar o uso de smartphones pessoais dos colaboradores para o trabalho. 

Antes de bloqueio de apps, priorize a política

Nos conceitos listados acima, a palavra “política” sempre está presente. Sendo assim, garantimos que bloqueio de aplicativos e dispositivos sem o acompanhamento de políticas de uso não tem a mesma eficiência em segurança da informação.

Por isso, primeiramente garanta uma política de uso clara e compreensiva, com foco na responsabilidade do usuário na segurança de dispositivos e apps. Não é possível educar o usuário em melhores práticas no uso se a política não define quais elas são.

Nesse sentido, o uso pessoal do dispositivo, procedimentos de segurança, o que fazer em casos especiais (como perda do aparelho) e tudo que significa o bom uso do celular corporativo devem estar claros na política., antes mesmo de falamos de bloqueio de aplicativos.

Vale lembrar que apesar das empresas possuírem total controle sobre seus dispositivos, as políticas são ainda mais importantes em BYOD, onde é necessário exercer um controle maior sobre tipos de dispositivos e SOs aceitos e onde a responsabilidade individual é ainda maior.

Educando os usuários sobre segurança

Junto com as políticas, é importante conscientizar os usuários de dispositivos móveis sobre o uso consciente e o papel deles no bloqueio de apps e aparelhos.

Primeiramente, programas de uso correto dos recursos, feitos em conjunto com o RH e lideranças de departamentos, devem focar em melhores práticas, ressaltando os principais pontos da política de uso e dando exemplos práticos. A comunicação ampla, em todos os canais da empresa, ajuda a mensagem a se disseminar.

Além disso, campanhas de conscientização acompanhadas de incentivos também ajudam a impulsionar estas melhores práticas: recompensas para departamentos que atingem metas de uso são excelentes ferramentas nestes casos.

Falando especificamente sobre bloqueio de apps, é importante conscientizar os usuários sobre procedimentos corretos na hora de perda ou roubo de dispositivos. Uma ação rápida garante que processos automatizados de bloqueio entrem em ação a tempo de serem efetivos.

Diferença de bloqueio de apps em dispositivos pessoais e corporativos

Existe uma série de soluções de bloqueio de aplicativos para dispositivos pessoais, e seu uso deve ser incentivado junto a usuários que aderem ao BYOD.

Por mais bem delineada que seja a política de uso, seus usuários usam por exemplo a câmera do telefone para registrar imagens no ambiente de clientes e prospects para uso em propostas e outros processos. E no caso de extravio do aparelho, o que impede imagens que podem mostrar conteúdos sensíveis para o negócio caiam em mãos erradas?

Por isso, no nível do usuário de BYOD, é importante ter a defesa do aparelho e de apps ou pastas específicos, além de uma política que desestimula o uso de apps não previstos na cesta de aplicativos da organização. Estes não são protegidos pelo bloqueio de aplicativos, apesar de cobertos pelo bloqueio de dispositivos.

E claro, toda pessoa que possui um smartphone deve ter a preocupação com seus próprios dados. Sendo assim, veja alguns dos principais apps de bloqueio disponíveis no mercado:

Por outro lado, no caso de bloqueio de dispositivos e apps corporativos, soluções de MDM/EMM garantem a ação imediata e automatizada, garantindo a proteção de dados e programas realmente críticos para a organização. Esta ação é útil para a segurança e produtividade das equipes.

O papel da automação no bloqueio de apps e dispositivos

Por exemplo, as definições segmentadas por empresa – departamento -usuário permitem flexibilidade e automação. Um departamento de marketing e um departamento de compras possuem necessidades em comum de apps (ERP, por exemplo), mas possuem apps particulares à atividade: TikTok pode fazer sentido para o marketing, mas não para compras.

As decisões de bloqueio de apps cruzam com os objetivos de produtividade da equipe e de economia de despesas no uso dos recursos. Sendo assim, automação no bloqueio de apps é item obrigatório. Uma plataforma de MDM, por exemplo, é indispensável para assegurar a gestão eficiente dos celulares corporativos. Um de seus recursos mais importantes é o gerenciamento remoto dos dispositivos.

Primeiramente, o gerenciamento remoto deixa a operação de gestão mais enxuta. Com um analista responsável pelo monitoramento de dispositivos espalhados em filiais, departamentos e até países diferentes, toda a gestão fica centralizada e mais fácil de executar.

Em soluções maduras de MDM, a disponibilização de autosserviço para usuários também é um diferencial de eficiência: um novo colaborador ou uma nova ativação de aparelho é feita pelo próprio usuário, dentro de políticas e conjuntos de aplicativos e acessos pré-definidos em sistema.

Em termos de segurança, o gerenciamento remoto adiciona mais uma camada de proteção aos dados corporativos. Recursos para apagar os dados do dispositivo e bloqueá-lo remotamente trazem paz de espírito não somente para gestores de TI, mas para toda a empresa.

Como sua empresa lida com o bloqueio de aplicativos?

Sabemos que o assunto de bloqueio de aplicativos, multiplicado pela complexidade de BYOD, é um sério desafio para sua empresa. Em 15 anos de mercado, encontramos empresas nos mais variados estágios deste desafio, independente de tamanho ou área, e sempre há algo para aperfeiçoar.

Por isso estamos aqui primeiro para lhe ouvir. Que desafios você encontra essa gestão de bloqueios de aplicativos? E em EMM/MDM? Talvez você queira falar sobre implantar BYOD na sua empresa. Ou ainda, você pode procurar vôos maiores, como programas completos de Telecom Expense Management (TEM).

Para todos estes casos estamos aqui. Queremos compartilhar nossa experiência, entendendo o que você passa e oferecendo soluções e apoio para implantá-las. Fale conosco ainda hoje!

Sempre lembrando que estamos no LinkedIn e no Facebook. Adicionalmente, navegue também em nosso blog para conferir outros artigos que vão lhe ajudar a tomar decisões em gestão de telecom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *